luar como esse do ser tão

não há vida depois da morte
pq se houve vida depois da morte
o que não houve foi a morte

2 comentários:

Muryel De Zoppa disse...

seria interessante Sartre passar vistas no esmero aqui pra poder traçar o nobel mas... ichi, o caipora já morreu, e com suas fraturas acerca de que o homem só o é depois que finda (diria o filosofo costinha) a função do cu.

abraços, comunista!

BORBOLETA disse...

Ou, quiça, o que nunca houve foi a vida.

Saravá.