o sotaque tá no timbre

Tirou a palavra da minha boca quem ia falar.

Falo eu ou fala você?

O circuito da informação, dentro de mim, infelizmente tem mão única. Ou escrevo ou leio. É in ou out. No momento, estou in, yin. Lendo todas aquelas coisas - lispector, rosa, fonseca - que por algumas semanas me fazem calar a boca.

Às vezes o silêncio atravessa meses.

Seria o caso de ficar calado, frente a essas produções geniais?

Autor, um personagem do rubem fonseca, teria dado essa lição ao jovem escritor: "menino, escreva o SEU livro".

Ante essa lição, silenciar, acender a tela do computador, mandar brasa. o que restar de cinzas ao pó voltará.

3 comentários:

hudz disse...

entendi

carolina. disse...

tarefinha complicada essa.

Sr Literário em Ruínas disse...

Não se esqueça que as palavras não fogem do circuito genético-muscular-repleto de ossos essa coisa viva que muitos chamam humano elas fatalmente sobrevoam nossas cabeças com aeroplanos estragados e caem em nossos pés sem pedir permissão pois toda vez que queremos escrever algo elas fogem se escodem e levam consigo as vírgulas e os pontos só não as escravizamos porque às vezes temos medo delas e de que ela nos afogue num lago repleto de sangue.